dicas

Os alimentos certos para as mulheres de 20, 30 e 40 anos

Os alimentos certos para as mulheres de 20, 30 e 40 anos

O metabolismo feminino muda naturalmente com o passar dos anos e é um reflexo de alterações hormonais, mudanças de hábitos e rotinas. Em diversas fases ocorrem mudanças corporais significativas na mulher como: adolescência, gravidez e menopausa. Para algumas, o avanço das décadas pode ser sinônimo de ganho de peso, pele envelhecida e perda de disposição. Porém, pode não ser uma regra.

                A inclusão de alguns alimentos na dieta, combinada a um estilo de vida saudável, podem fazer a passagem do tempo ser sentida de forma mais tranquila. Confira alguns alimentos e seus benefícios, de acordo com cada faixa etária!

 

Aos 20 anos

Nesta faixa etária o metabolismo está mais acelerado. Além disso, é uma época muito intensa para maioria das mulheres, pois elas se dividem em diversas tarefas como trabalho, faculdade, academia e uma vida social agitada.

Considerando esse contexto, os alimentos energéticos (ricos em carboidrato) tem um papel fundamental para todas essas atividades acontecerem, pois fornecem energia. São eles:

- Tubérculos como batata, mandioca, batata doce e inhame;

- Aveia e arroz integral;

- Pães e massas integrais.

Nessa fase, o açaí é uma fruta interessante para inserir no cardápio. Rico em ferro, nutriente importante para evitar a anemia, ele pode ser consumido com frutas ou com guaraná, um energético natural.

                É possível que nessa idade alimentação desequilibrada não cause tantos danos na silhueta ou na saúde, porém cabe ressaltar que os efeitos de uma alimentação desbalanceada dependem dos hábitos ao longo do tempo. Portanto, estabelecer uma rotina de atividade física e alimentação saudável desde cedo ajuda a evitar problemas ao longo do tempo.

 

Aos 30 anos

O estresse e alterações hormonais podem refletir em efeitos sobre a pele, que pode começar a apresentar os primeiros sinais de envelhecimento. Portanto, esse é um ótimo momento para incluir na dieta alimentos antioxidantes que além de melhorar a aparência da pele podem ajudar a prevenir algumas doenças.

Frutas vermelhas (amora, ameixa, cereja, morango) são ricas em compostos bioativos que podem auxiliar na prevenção de doenças do coração e tem efeito protetor para a alguns tipos de câncer. Esses benefícios se devem à capacidade antioxidante e anti-inflamatória desses compostos, que tem o poder de retardar a ação dos radicais livres, prevenindo o aparecimento de algumas doenças e o envelhecimento precoce. Uma dica para incluir as frutas vermelhas no dia a dia é utilizar a polpa congelada em sucos e vitaminas, e aproveitá-las in natura durante a estação certa.

Frutas cítricas (laranja, acerola e limão) também colaboram para uma pele com boa aparência. Ricos em vitamina C, eles atuam na síntese de colágeno, uma proteína que auxilia a manter a pele mais firme.

 

 

 

 

Depois dos 40 anos

Nesta faixa etária a mulher se aproxima da menopausa e com isso alguns efeitos indesejados podem surgir, como mudança na composição corporal (com perda de massa muscular e ganho de gordura) e o risco de desenvolver osteoporose.  

Nesse contexto, alimentos ricos em proteínas com baixo teor de gordura exercem papel importante para evitar a perda de massa muscular, sem extrapolar a quantidade de gordura. Alguns exemplos são: peixes, carnes magras como frango e lombo, iogurte, ovos e feijões.

Para prevenção de osteoporose, o consumo de leite e derivados, além de vegetais verdes escuros como couve manteiga e brócolis, é importante para manter o cálcio e fósforo em quantidades adequadas para a saúde dos ossos. Além disso, cabe ressaltar que a vitamina D (presente na gema do ovo, alimentos enriquecidos e obtida através da exposição solar) e da atividade física são fundamentais para a manutenção de ossos saudáveis.

 

 

Referências consultadas:

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à fome. Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos: TACO. Campinas, SP, 2011.

CUNHA, K. D. et al. Estabilidade de ácido ascórbico em suco de frutas fresco sob diferentes formas de armazenamento. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 17, n. 2, p. 139-145, 2014.

EGAHIRA, E.M.; MIZIARA, A.P.B.; LEONI, L.A.B. Grupo do arroz, pão, massa, batata e mandioca. In: PHILIPPI, S.T. Pirâmide dos alimentos-Fundamentos básicos da nutrição. Barueri: Ed. Manole, 2008, p. 33-66.

FERNANDES, T. R. L et al. Fatores associados à osteoporose em mulheres pós-menopausa. Semina: Ciências biológicas e da saúde, Londrina, v. 36, n. 1, p. 93-106, 2015.

MONTEIRO, C.R. Nutrição e Estética. In: COZZOLINO, S.M.F; COMINETTI,C (Org). Bases bioquímicas e fisiológicas da Nutrição: Nas diferentes fases da vida, na saúde e na doença. Barueri: Manole, 2013. p. 1159-1172.

SCHNEIDER A.P. Antienvelhecimento da pele. In: SCHNEIDER A.P.(Org). Nutrição Estética. São Paulo: Atheneu, 2009. p. 131-143.

SKROVANKOVA,S. et al. Bioactive Compounds and Antioxidant Activity in Different Types of Berries. International Journal of Molecular Sciences, Basileia, v.16, n.10, p. 24673–24706, 2015.

TOMITA L.Y. Vitamina C. In: CARDOSO M.A(Org). Nutrição Humana. Rio de Janeiro: Koogan; 2006. p. 198-205.

SILVEIRA, C. M; BARTHOLOMEU, M. C.; MAIA, J. S. A mulher e o climatério: o conhecimento em questão. Revista científica de enfermagem, São Paulo, v. 4, n. 10, p. 12-17, 2014.

VITOLO, M. R. Avaliação nutricional no adulto. In: VITOLO, M. R. (Ed).  Nutrição: da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro: Ed. Rubio, 2008, p. 377-431. 

 

videos