O que são probióticos?

Probióticos são micro-organismos vivos que podem ser ingeridos pelo ser humano, como por exemplo, o Lactobacillus acidophilus.

Esses micro-organismos produzem efeitos positivos na saúde, já que vivem no intestino, ajudando na digestão de alimentos e disputando espaço com os micro-organismos patogênicos (prejudiciais). Dessa maneira, não permitem que haja colonização do intestino por essas bactérias, promovendo o equilíbrio da microbiota (flora) intestinal.

Qual a importância do equilíbrio da microbiota (flora) intestinal?

A flora intestinal, cientificamente chamada microbiota intestinal, é formada por cerca de 100 trilhões de micro-organismos, sendo que alguns são considerados “bons” para o ser humano, como os probióticos, e outros “prejudiciais”.

O desequilíbrio dessa microbiota intestinal é chamado de Disbiose e resulta na diminuição das populações de micro-organismos “bons”, com consequente aumento da quantidade de micro-organismos “prejudiciais”.

Esse desequilíbrio é causado por diversos fatores, como:

  • - Stress
  • - Antibióticos
  • - Má alimentação
  • - Doenças intestinais
  • - Idade avançada

A Disbiose está relacionada ao aparecimento de diversas doenças, como: Diarreia, Constipação, Alergia alimentar, Doenças inflamatórias intestinais, entre outras.

Quais os principais requisitos que um probiótico deve ter?

Os probióticos devem estar vivos quando ingeridos e devem resistir ao processo de digestão. O maior desafio é a sobrevivência desses micro-organismos à ação do ácido do estômago, enzimas digestivas e sais biliares, já que precisam passar por esses obstáculos para chegar ao local de ação dos probióticos:o intestino. Nessa equação, também é importante a quantidade de micro-organismos que sobrevivem ao processo, sendo recomendado pela ANVISA a faixa entre 10⁸ (100 milhões) e 10⁹ (1 bilhão) UFC (Unidades Formadoras de Colônias).

Quando devemos consumir probióticos?

Os probióticos são adequados para realizar a reposição da flora intestinal. Dessa forma, para que os efeitos dos probióticos sejam percebidos, deve-se consumir probióticos diariamente. Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.

Qual a vantagem da administração de probióticos na forma de cápsulas?

Para que o benefícios dos probióticos sejam alcançados pelo indivíduo, é necessário a ingestão de uma quantidade mínima de micro-organismos.

A manutenção de altas populações de células probióticas viáveis em alimentos como queijos e iogurtes nem sempre é uma tarefa simples. Muitos fatores podem influenciar a viabilidade dos probióticos em alimentos, como por exemplo variações nas condições de armazenamento.

Devido à ação desses fatores, vários estudos demonstraram que alguns produtos lácteos disponíveis para comercialização não apresentavam populações mínimas de probióticos viáveis dentro do prazo de validade, o que certamente reduz a possibilidade desses micro-organismos exercerem seus efeitos positivos sobre a saúde do indivíduo.

A encapsulação dos probióticos é um exemplo de um processo tecnológico destinado a concentrar e proteger os probióticos, e que oferece um grande potencial na proteção dos mesmos, colaborando, para que as células cheguem vivas e em altas concentrações no intestino humano.

Além disso, outras vantagens são conferidas pela administração de probióticos na fórmula de cápsulas, quando comparado a um alimento contendo probióticos. Dentre essas vantagens destacam-se:

- A Cápsula fornece poucas calorias.

- Maior vida de prateleira (prazo de validade) quando comparado a um iogurte ou queijo contendo probióticos.

- Não necessita ser mantida sob refrigeração.

- Pode ser facilmente transportada, por exemplo, em bolsas.

- Praticidade no consumo.

- A ingestão de uma única cápsula fornece a necessidade de probiótico diária do indivíduo.

- Pode ser consumida por pessoas que possuem intolerância à lactose, ao contrário de lácteos probióticos.

*Para mais informações consulte o seu médico.

referências consultadas

1. SPENCE, A.P. Anatomia Humana Básica. 2. ed. São Paulo: Manole, 1991. 713p.

2. IANNITTI, T.; PALMIERI, B. Therapeutical use of probiotic formulations in clinical practice. Clinical Nutrition, v.29, p.701-725, 2010.

3. ZIEMER, C.; GIBSON, G.R. An overview of probiotics, prebiotics and synbiotics in the functional food concept: perspective and future strategies. International Dairy Journal,v.8, p.473-479, 1998.

4. RASTALL, R.A.; MAITIN, V. Prebiotics and synbiotics: towards the next generation. Current Opinion in Biotechnology, v.13, p.490-496, 2002.

5. VOROBJEVA, N.V. Selective stimulation of the growth of anaerobic microfl ora in the human intestinal tract by electrolyzed reducing water. Medical Hypotheses, v.64, p.543-546, 2005.

6. DEL PIANO, M.; MORELLIC, L.; STROZZI, G.P.; ALLESINA, S.; BARBA, M.; DEIDDA, F.; LORENZINI, P.; BALLARÉ, M.; MONTINO, F.; ORSELLO, M.; SARTORI, M.; GARELLO, E.; CARMAGNOLA, S.; PAGLIARULO, M.; CAPURSO, L. Probiotics: from research to consumer. Digestive and Liver Disease, v.38, suppl.2, p.S248-S255, 2006.

7. BORCHERS, A.T.; SELMI, C.; MEYERS, F.J.; KEEN, C.L.; GERSHWIN, E. Probiotics and immunity. Journal of Gastroenterology, v.44, p.26-46, 2009.

8. LAPARRA, J.M.; SANZ, Y. Interactions of gut microbiota with functional food components and nutraceuticals. Pharmacological Research, v.61, p.219-225, 2010.

9. MERCENIER, A.; PAVAN, S.; POT, B. Probiotics as biotherapeutic agents: present knowledge and future prospects. Current Pharmaceutical Design, v.8, p.99-110, 2002.

10. OTHMAN, M.; AGUERO, R.; LINA, H.C. Alterations in intestinal microbial fl ora and human disease. Current Opinion in Gastroenterology, v.24, p.11-16, 2008.

11. MAI, V.; DRAGANOV, P.V. Recent advances and remaining gaps in our knowledge of associations between gut microbiota and human health. World Journal of Gastroenterology, v.15, n.1, p.81-85, 2009.

12. SHAH, N.P. Functional cultures and health benefi ts. International Dairy Journal, v.17, p.1262-1277, 2007.

13. SAARELA, M.; MOGENSEN, G.; FONDÉM, R.; MÄTTÖ, J.; MATTILA-SANDHOLM, T. Probiotic bacteria: safety, functional and technological properties. Journal of Biotechnology,v.84, p.197-215, 2000.

14. BIELECKA, M.; BIEDRZYCKA, E.; MAJKOWSKA, A. Selection of probiotics and prebiotics for synbiotics and confi rmation of their in vivo effectiveness. Food Research International, v.35, n.2/3, p.125-131, 2002.

15. SALMINEN, S.J.; GUEIMONDE, M.; ISOLAURI, E. Probiotics that modify disease risk. The Journal of Nutrition, v.135, n.5, p.1294-1298, 2005.

16. ISOLAURI, E.; SALMINEN, S.; OUWEHAND, A.C. Probiotics. Best Practice & Research Clinical Gastroenterology, v.18, n.2, p.299-313, 2004.

17. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Comissões de assessoramento tecnocientífi co em alimentos funcionais e novos alimentos. Aprova alimentos com alegaçõesde propriedades funcionais ou de saúde, novos alimentos/ingredientes, substâncias bioativas e probióticos. Lista das alegações aprovadas de 11 de janeiro de 2005.Atualizada em julho de 2008. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/comissoes/tecno_lista_alega.htm. Acesso em: 11 abril 2011.

18. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS; WORLD HEALTH ORGANIZATION. Evaluation of health and nutritional properties of probiotics in food including powder milk with live lactic acid bacteria. Córdoba, 2001. 34p. Disponível em: http://www.who.int/foodsafety/publications/fs_management/en/probiotics.pdf.Acesso em: 06 abril 2011. [Report of a Joint FAO/WHO Expert Consultation].

19. GOLDIN, B.R. Health benefi ts of probiotics. British Journal of Nutrition, v.80, p.S203-S207, 1998.

20. COEURET, V.; GUEGUEN, M.; VERNOUX, J.P. Numbers and strains of lactobacilli in some probiotic products. International Journal of Food Microbiology, v.97, p.147–156,2004.

21. HUYS, G.; VANCANNEYT, M.; D’HAENE, K.; VANKERCKHOVEN, V.; GOOSSENS, H.; SWINGS, J. Accuracy of species identity of commercial bacterial cultures intended for probiotic or nutritional use. Research in Microbiology, v.157, p.803–810, 2006.

22. LIN, W.H.; HWANG, C.F.; CHEN, L.W.; TSEN, H.Y. Viable counts, characteristic evaluation for commercial lactic acid bacteria products. Food Microbiology, v.23, p.74–81,2006.

23. RODRIGUES, D.; ROCHA-SANTOS, T.; SOUSA, S.; GOMES, A.M.; PINTADO, M.M.; MALCATA, F.X.; LOBO, J.M.S.; SILVA, J.P.; COSTA, P.; AMARAL, M.H.; FREITAS, A.C.On the viability of fi ve probiotic strains when immobilised on various polymers. International Journal of Dairy Technology, v.64, n.1, p.137-144, 2011.

24. ROKKA, S.; RANTAMÄKI, P. Protecting probiotic bacteria by microencapsulation: challenges for industrial applications. European Food Research Technology, v.231, p.1-12, 2010.

25. TALWALKAR, A.; KAILASAPATHY, K. Metabolic and biochemical responses of probiotics bacteria in oxygen. Journal of Dairy Science, v.86, p.2537–2546, 2003.

26. DONKOR, O.N.; HENRIKSSON, A.; VASILJEVIC, T.; SHAH, N.P. Effect of acidifi cation on the activity of probiotics in yoghurt during cold storage. International Dairy Journal,v.16, p.1181-1189, 2006.

videos